Jovens beldades na Patacona da Patracola

by barbeirodapatracola


Exp 018Eu já andava desconfiado do meu primo ter deixado de aparecer  no Clube do Milhafre pela tardinha como era seu hábito. Ainda pensei que tivesse adoecido pelo que fui a casa dele saber o que teria acontecido. Apareceu-me a prima ao portão com os olhos em lágrimas pelo que temi logo o pior. Mas o que ela me disse logo de seguida fez-me ficar completamente aparvalhado: –  Primo, ele agora anda atrás das canitas.

Lembrei-me logo de uma história antiga da Patracola em que um velhadas ensinava as canitas a tocar pifaro.

Primo, vai atrás dele e por favor conversa com ele. Ele que pense na netinha e da vergonha que é se as pessoas descobrem. Ele agora vai todas as tardes para a Patacona.  E à noite nem come porque vai para a internet ver filmes com mulheres despidas com outros homens.

Como gosto muito da minha prima, fiz-lhe a vontade. Ontem fui atrás dele, e fui encontrar a mota encostada à maracha do Tejo. Fui dar com o meu vizinho escondido nos Salgueiros a mirar um grupo de jovens patracolenses com bonitos biquínis e algumas até de mamas ao léu. Afinal não eram assim tão canitas. Todas elas acima dos 20 anos pelo que de ingénuas já não têm nada.

À vinda para a Patracola cruzei-me com um grupo de rapazes que certamente iam ao encontro delas. Ai que pena de não ser jovem como eles. Não escapava nenhum naco de febra daquelas.

Hoje, já não vai apenas o meu vizinho Pedro. Vou eu e o resto da Rua da Patracola. Só espero que existam sombras para tantos mirones.

Nota da barbearia: Texto recebido de um outro cinquentão reformado que deve andar com falta de pipi. Só assim se explica que vá espreitar pitas com idade de serem suas netas. E ainda é parvo o suficiente para pedir para publicarmos isto. Não nos responsabilizamos pelos engarrafamentos que possam existir hoje na Patacona.

Anúncios